energia Simples

PRECISA DE AJUDA?

Mercado liberalizado da eletricidade

No mercado liberalizado de eletricidade existem vários operadores de comercialização que concorrem livremente no mercado oferecendo preços e serviços diversificados tendo como base os regulamentos do setor elétrico aprovados pela ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos). O processo de liberalização do mercado de energia elétrica ficará completo até ao final do ano de 2016.

No mercado regulado, as tarifas de venda de energia são fixadas anualmente pela ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos). São essas as tarifas praticadas pelo comercializador de último recurso. No mercado liberalizado, as tarifas de energia são estabelecidas por cada comercializador, respeitando as regras da concorrência e os regulamentos das relações comerciais (RRC) divulgado pela ERSE.

Sim. Até 31 de Dezembro de 2016 todos os consumidores de eletricidade têm de escolher um comercializador que atue em regime de mercado. Até 31 de Dezembro de 2016, os clientes que não transitarem para o mercado, o contrato mantém-se no comercializador de último recurso (EDP Serviço Universal) e são aplicáveis as tarifas transitórias aprovadas pela ERSE que tendem a ser bastante mais altas do que as praticadas pelos comercializadores em regime de mercado, como já hoje acontece. Os consumidores que beneficiem de tarifa social e do ASECE – Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia, não estão abrangidos pela obrigatoriedade de transitarem para o mercado. Se o quiserem, podem manter-se no comercializador de último recurso.

A data limite para a mudança de comercializador depende do valor da potência contratada:

  • Para uma Potência contrata inferior a 10,35 kVA: 31 de Dezembro de 2016
  • Para uma Potência contratada igual ou superior a 10,35 kVA: 31 de Dezembro de 2015

As características técnicas do fornecimento de eletricidade aos clientes dos comercializadores em regime de mercado são iguais às dos clientes do comercializador de último recurso. A qualidade de serviço técnica diz respeito à atividade de distribuição, que compete aos operadores das redes de distribuição, que a exercem em regime de exclusividade. Assim, no caso do sector elétrico, quer os clientes dos comercializadores em regime de mercado, quer os clientes do comercializador de último recurso têm direito ao pagamento das compensações previstas no Regulamento da Qualidade de Serviço no caso de incumprimento dos padrões da qualidade de serviço técnica aplicável. O pagamento de eventuais compensações é efetuado através da fatura sem carecer de reclamação por parte do cliente, independentemente de qual seja o comercializador.

Avarias e leituras de consumo de Eletricidade

A qualidade de serviço é da responsabilidade do Operador da Rede de Distribuição. Em caso de falha deve contar o Operador de Rede de Distribuição através do número 800 506 506.

O Operador da Rede de Distribuição é responsável pela realização da leitura dos contadores.

Sim, faz muito sentido. O cliente deve enviar as leituras do contador com frequência para evitar as faturações por estimativa. Em cada fatura que receber virá mencionado o período ideal para enviar as suas leituras. Poderá proceder às leituras através da sua área de cliente ou através do telefone 800 507 507.

O Operador da Rede de Distribuição é obrigado assegurar toda a assistência técnica, independentemente do comercializador com quem tenha celebrado o seu contrato de eletricidade. A reparação das avarias será assegurada pela EDP Distribuição. Pode consultar os contactos do operador de rede de distribuição na sua fatura.

Mudança e adesão

Apenas tem de preencher o formulário de adesão online. Pode consultar todos os preços e condições de tarifário no nosso site e, se tiver qualquer dúvida, pode contatar-nos.

Nada. A mudança de comercializador é gratuita.

Não, a mudança é meramente administrativa.

Sim. Na Energia Simples não existe um período de permanência obrigatória.

Não. Na Energia Simples não existe penalizações por cessão de contrato antes do término do período do contrato.

A mudança de comercializador deverá ser concluída num prazo máximo de 20 dias, quando não seja necessária a atuação no local de consumo.

Pode ser necessária alteração no equipamento, no caso de haver alteração do perfil de consumo (por exemplo, de mudar para de um plano simples para um plano bi-horário ou realização de leitura extraordinária). Estas alterações são executadas pelo operador da rede de distribuição, com prazos e regras regulados pela ERSE, e podem.
No caso de ser necessária uma atuação no local de consumo (ex.: alteração no equipamento de medida ou realização de leitura extraordinária) os prazos de mudança de comercializador dependem do agendamento e execução, pelo operador da rede de distribuição, das intervenções solicitadas, cujos prazos e regras foram regulamentados pela ERSE.

Não. Só será necessário substituir o contador no caso de haver alteração do perfil de consumo que determine tecnicamente a necessidade de o substituir.

Sim. As situações impeditivas foram regulamentadas pela ERSE e podem dever-se:

  • A identificação insuficiente ou inválida da instalação;
  • A sobreposição de pedidos de mudança;
  • Potência indicada não normalizada ou superior à potência requisitada ou licenciada;
  • Dados do cliente não coincidentes com os registados;
  • Existência de processos de fraude;
  • Valores em dívida ao comercializador de último recurso, que não tenham sido contestados junto de tribunais ou de entidades com competência para a resolução extrajudicial de conflitos.

Para proceder ao cancelamento do contrato de energia elétrica e/ou gás natural deverá enviar a comunicação por carta regista com aviso de receção, num prazo não inferior a 30 dias de antecedência.

No caso de clientes empresariais com consumos superiroes a 1GWh de Gás Natural o prazo de antecedência de comunicação deve ser efetuado por carta regista com aviso de receção, num prazo não inferior a 60 dias de antecedência.



Pagamentos e faturação

A Energia Simples disponibiliza pagamento por multibanco ou débito direto por conta.

Sim. No caso de o Cliente selecionar o pagamento via débito direto em conjunto com a fatura eletrónica oferecemos um desconto no termo fixo (potência contratada). A utilização do débito direto e da fatura eletrónica permitem à Energia Simples reduzir os seus custos operacionais e passar esta redução aos seus Clientes. O desconto na potência contratada é só valida para os clientes BTN (para potências contratadas até 40,1 kVA).

Sim, pretendemos oferecer a maior comodidade de pagamento aos nossos clientes. Com base no consumo histórico calculamos um valor mensal fixo, passando a pagar por débito direto todos os meses um valor fixo. A Energia Simples emite no 12º mês uma fatura com todos pagamentos e consumos.

Para evitar surpresas, no 12º mês, a disponibilizamos através e-mail e no site de Internet mensalmente uma pré-fatura com o valor do consumo (leitura ou estimado).

Sim, pode a qualquer momento contatar-nos para mudança de plano.

Autoconsumo fotovoltaico

Sim. Com a publicação do Decreto-Lei nº153/2014, os consumidores finais podem instalar uma unidade de produção para autoconsumo (UPAC). Os sistemas devem ser dimensionados de forma que a maior parte da energia produzida seja consumida no local de produção. 

Não será preciso fazer um projeto elétrico para sistemas de pequena dimensão. Para potências até 1,5kW (6 painéis fotovoltaicos de 250 W) só é necessário fazer uma mera comunicação.
A Energia Simples trata de todo o processo de análise, registo, projeto e instalação dos sistemas fotovoltaicos dos seus clientes. É Simples.

A energia excedente pode ser injetada na Rede Elétrica Pública. Todavia, a filosofia do Decreto-Lei foi desenhado para que os sistemas sejam dimensionados de forma a reduzirem ao máximo a aquisição de energia elétrica da rede elétrica pública. A Energia Simples aconselha que a energia elétrica produzida seja 100% autoconsumida. Só assim consegue reduzir drasticamente a sua fatura de eletricidade e aumentar a sua autonomia energética.

A energia excedente pode ser injetada na Rede Elétrica Pública e vendida ao comercializador de último recurso (CUR), nomeadamente à EDP Serviço Universal, SA. O valor da remuneração está indexado ao preço de energia elétrica no mercado diário (OMIE) com uma penalização de 10%. No último ano o valor médio aritmético foi de 0,041 €/kWh.

A Energia Simples irá brevemente oferecer um contrato de aquisição (bilateral) da energia excedente a preços e condições mais favoráveis aos seus clientes domésticos e empresariais.

Na Energia Simples. Temos preços e condições especiais para sistemas até uma potência de 5 kW (20 painéis fotovoltaicos). Analisamos as suas necessidades em termos de dimensão do sistema e apresentamos-lhe uma proposta global de fornecimento de energia elétrica.

Tarifários fixos e indexados

Nos tarifários fixos, a Energia Simples define um valor fixo para a tarifa de energia válido, normalmente, pelo período de um ano. A definição do valor da tarifa de energia tem como base a evolução a médio prazo do preço da energia no mercado de eletricidade. Para diminuir os riscos financeiros dos fornecedores, estes tarifários são em geral mais elevados, desvantajosos e menos transparentes para os clientes.

Nos tarifários indexados, o valor da tarifa de energia está indexado ao preço de mercado de eletricidade. O preço de mercado de eletricidade varia hora a hora. Este tarifário é o mais transparente e justo para os nossos clientes e para a própria Energia Simples. A Energia Simples define com os seus Clientes a sua margem comercial (spread) pela prestação do serviço de fornecimento de energia. A Energia Simples reduz o seu risco financeiro e aumenta a sua sustentabilidade económica. 

Num tarifário Indexado, o valor da tarifa de energia vária com o preço da energia do mercado diário de eletricidade (OMIE). A Energia Simples define com os seus Clientes a sua margem comercial (spread) pela prestação do serviço de fornecimento de energia. No tarifário Plano Indexado Max, o valor da tarifa de energia varia também com o preço da energia do mercado diário de eletricidade (OMIE), com uma margem comercial (spread) e um preço máximo da tarifa de energia. Este tarifário garante ao Cliente que não irá pagar mais do que o valor estipulado como teto máximo. No tarifário Plano Indexado Max o cliente arrisca pagar menos, mas não arrisca pagar mais. 

Para consultar os preços do mercado diário pode, a qualquer momento, o OMIE

Entre em contato com a Energia Simples para poder fazer uma avaliação informada consoante a sua utilização e consumo.

Direitos e Deveres dos consumidores de energia

Os direitos dos consumidores estão previstos no artigo 60.º da Constituição Portuguesa e na Lei da Defesa do Consumidor, Lei n.º 24/96, de 31 de Julho, alterada pelo Decreto-Lei n.º 67/2003, de 8 de Abril, correspondendo aos seguintes direitos:

Direito à Qualidade dos Bens e Serviços

Direito à Proteção da Saúde e da Segurança Física

Direito à Formação e à Educação para o Consumo

Direito à Informação

Direito à Proteção dos Interesses Económicos

Direito à Prevenção e Reparação de Prejuízos

Direito à Proteção Jurídica e uma Justiça Acessível e Pronta

Direito à Participação e Representação

Apesar dos Direitos que assistem os consumidores, existem também deveres que se devem fazer cumprir:

Dever de Consciência Crítica

Dever de Cumprimento das Obrigações Contratuais

Dever de Colaborar com os Operadores das Redes no Cumprimento das Disposições Legais

Dever de Consciência Ambiental e de Consumo Eficiente

Para além dos direitos e deveres anteriormente mencionados, deve também ser levado em consideração o Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico; o Regulamento da Qualidade do Serviço do Setor Elétrico e o Regulamento Tarifário do Setor Elétrico.

Para mais informações consulte a lei de defesa do consumidor, clique aqui.


Content

A Simples liga-lhe.

(serviço disponível nos dias úteis das 09h às 19h)